domingo, 21 de agosto de 2016

Pseudo-nerds brasileiros insistem em associar Neymar ao mundo nerd

O site Judão, que se autodenomina "nerd", embora eu não veja nenhum traço da tribo em seu conteúdo e na aparência de gordos barbudos de seus responsáveis, mostrou a capa do jogo PES 2011 que é oficializado pela Fifa e tem na capa o arroz de festa Neymar e o português-que-age-como-brasileiro Cristiano Ronaldo.

O texto do site não faz nenhum elogio aos jogadores, mas quem visitou o site durante a copa, sabe que seus responsáveis são tão pró-futebol quanto qualquer troglodita que vive surrando nerds em qualquer pátio escolar.

Digitando as palavras "nerd" e "Neymar" em sites de busca (experimentem fazer isso no Google), encontramos muitos sites ditos "nerds" que lançaram postagens falando sobre o hiperbólico jogador. Quem tem a cabeça no lugar sabe que nerd de verdade prefere ignorar o futebol (cada vez mais alienante e estimulador de fanatismo) e ainda mais trastes como o jogador com cabelo de pônei. Nerd que adora futebol não é nerd coisa nenhuma. Melhor escolher outro nome para a sua "tribo".

Mais uma prova que a verdadeira cultura nerd ainda não chegou ao Brasil e que o que se vê é na verdade a utilização ilícita do rótulo para garantir vantagens pessoais e estar na moda.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Pizza de Aniversário


Neymar faz anos hoje e ontem ganhou um presentaço: teve as acusações de envolvimento seu em casos de corrupção arquivadas. Ou seja, Neymar está livre, leve e solto, dispensado de qualquer investigação que comprove irregularidades envolvendo seu nome. Mais um sucesso na vida do homem mais sortudo do Brasil. Hoje teremos pizza de aniversário na festa do hiper-estimado jogador.

O mais-que-ovacionado jogador até recebeu hoje parabéns de várias celebridades que fingem ser contra a corrupção, mas na verdade querem mesmo é ver um integrante do proletariado longe da política, aplaudindo corruptos que agradem a elite. Corruptos, só os de direita, pois sabem roubar direitinho, sem deixar rastro.

Proletariado, só se correr atrás de uma bolinha, como o Neymar (que é direitista assumido, ou seja, pró-elite), que evidentemente já enterrou seu passado de proleta e virou magnata. Um magnata meio burrinho que nem fala direito e muito menos associa as ideias, mas um magnata.

Hoje ele está feliz. Deve passar a noite com o maior harém do mundo que nem está aí para a sua feiura ou sua burrice. Neymar, que em país sério não passaria de um circense a distrair as massas, no Brasil, terceiro país mais ignorante do mundo, ele é "deus", é mestre, é o menino que acabará com a crise no Brasil simplesmente por correr atrás de uma reles bola de couro. Valorizado só porque consegue correr atrás de uma bolinha, sua única qualidade supostamente relevante.

Será preciso melhorar a educação para fazer a população entender a superficialidade e a inutilidade de um ídolo como Neymar, o perseguidor e chutador de bolinhas?

sábado, 30 de janeiro de 2016

Galanteios

Bruna Marquezine é assunto de um passado remoto. Enquanto a Marquezine, pelo que parece, roubou um cantor de uma outra atriz, Neymar não quer saber nem mesmo das celebridades brasileiras. Agora o negócio dele são as gatas internacionais. O jogo dele agora é tentar conquistar a modelo Kendall Jenner e a atriz Chloe Grace Moretz (esta disse que ama ele).

Feio, desajeitado, mal instruído, vulgar, mas MUITO RICO, usa a sua conta bancária lotada para compensar as qualidades que não tem para conquistar agora as gatas internacionais.

E eu me matando de estudar durante anos, conquistar suado um diploma de nível superior para ganhar salário mínimo e namorar umas barangas burras e feias, enquanto esse troncho sem o primário completo tem o redondo planeta aos seus pés, incluindo as mulheres mais desejadas do mundo, todas de joelhos diante dele. Bah!

Neymar, o homem mais sortudo, não somente do Brasil. Agora o mais sortudo do mundo.



sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Padronização de ônibus em Porto Alegre é influenciada por futebol

A era da mediocridade vai emburrecendo todo mundo. E nada melhor que usar o monopolizante futebol para inspirar a monopolizante padronização visual que esconde da população o direito de conhecer as empresas vencedoras da licitação municipal. Como vê, uma pirataria legalizada e assinada em decreto.

O prefeito de Porto Alegre, a terceira capital mais fanática em futebol do país, decidiu "homenagear os times locais com a nova pintura dos ônibus, que esconde a identidade das empresas colocando no lugar a redundante informação do nome da cidade. "O povo que se vire", como dizia o prefeito carioca que lançou o modismo do fardamento de ônibus com nomes de prefeituras.

Futebol e curitibanização dos ônibus: duas medidas retrógradas a iludir as massas, reduzindo intelecto, qualidade de vida e o direito a diversidade.


quinta-feira, 9 de abril de 2015

Pra quê tanta comemoração...

... se os torcedores nada ganham com o futebol?

domingo, 15 de março de 2015

Futebol é utilizado por coxinhas para atacar PT

Olhem para esta foto, onde mostra uma rica celebridade usando a ridícula camisa da "seleção" para pedir a saída de Dilma e possivelmente a volta do regime militar. O mais nonsense dos esportes tinha que estar presente no mais nonsense das manifestações. Mesmo que o outro lado, o dos Petistas, também seja a favor do futebol.

O Brasil é o único país do mundo em que a noção de "pátria" e "futebol" são constantemente confundidas. Certamente os manifestantes ignoram que existe muito mais corrupção na CBF e na FIFA do que em toda a política brasileira, o que mostra que na verdade essas manifestações não são contra a corrupção e sim pela volta da elite ao poder. 

Lembrado que Ronaldo, ex-jogador e agora cartola, e que é parceiro fiel dos mais corruptos comandantes da CBF e da FIFA, estará nos protestos, junto com outras lideranças esportivas. Petistas pró-futebol deve estar se sentido traídos. Que ressuscitem o Sócrates, ora!

Para os chamados "coxinhas", é melhor um corrupto de elite a mandar na população do que um reles operário e sua turminha. É bom frisar que em um governo de direita, a inflação é crescente, as rendas mal distribuídas e há invasão de empresários estrangeiros a comprar empresas brasileiras, mudando todas as regras do jogo, direcionando-as segundo decisão das leis dos países de onde essas lideranças capitalistas venham.

E o futebol, onde fica nessa? Futebol é Capitalismo. Não fiquem os dois lados brigando ara ver com quem fica o esporte mais popular do pais, que de fato é só lazer mas é tratado como "orgulho nacional", confundido cm a própria nação. Ignoremos o futebol e assumamos de vez o caráter capitalista da modalidade. E por ser mero lazer, sua influência no bem estar da população do país é praticamente nula.

Certamente os coxinhas na e são nem aí se tucanos e cartolas fazem corrupção. Vale é tirar o PT do poder, de qualquer jeito, por mais surreal que seja o motivo de impeachment. Pois para a elite, que nunca sabe o que é interesse coletivo, lutar pelos seus privilégios é a sua meta final. E com a mais capitalista das modalidades esportivas, do lado, dando apoio.

domingo, 1 de março de 2015

Resposta a um engraçadinho

Um membro que eu tinha adicionado para a comunidade anti-futebol doe uma rede social, se revelou ser pró-futebol. Quando você recebe o convite para adesão, você na sabe qual é a do cara que pede para entrar. E só com ele lá dentro você percebe que é um troll a bagunçar as postagens do grupo.

O tal engraçadinho mandou uma postagem no qual ele questionava as críticas feitas ao futebol, argumentando que "ninguém é obrigado a gostar de futebol" e que ele detestava vôlei e não falava mal dele.

Vendo um comentário tão alienado, desconhecido das falcatruas e de toda a manipulação ideológica que cerca o futebol e faz essa modalidade esportiva ser a mais popular do país, mesmo sem ter atrativos para isso, resolvi fazer essa pequena postagem em resposta a ele, que terá o seu nome preservado.

Comentando os pontos citados por ele em sua curta postagem:

- Em tese, o brasileiro não é obrigado a gostar de futebol. Mas na prática é obrigado. Se futebol não fosse obrigação, a quantidade de torcedores e pessoas que assumem gostar de futebol seria imensamente menor. Mulheres, em sua maioria, não curtiriam. Já presenciei inúmeras evidências que provam que futebol é considerado pelos brasileiros uma obrigação cívico-social, o que dá origem a muitos preconceitos existentes no Brasil. 

- Não falamos mal do futebol e sim de algumas características postiças atribuídas a ele. Se o futebol fosse visto como uma forma banal de lazer - mas é visto como obrigação social, dever cívico e orgulho nacional - deixaríamos para lá e a comunidade sequer existiria.

- Amigo, vôlei é visto como um esporte como outro qualquer. Não acontece com o vôlei o que acontece com o futebol, que é superestimado. Todos sabem que vôlei é só lazer, mas muitos ainda acham que futebol é um importante assunto sério para o país. Não precisamos criticar o vôlei, pois ele não representa uma ameaça ao bom senso do povo brasileiro.

Se informe mais, caro torcedor. e não entre e comunidades anti-futebol. Se gosta de futebol, fique no seu canto e deixe a gente detestar sossegadamente essa modalidade esportiva.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Estas celebridades seriam futebosteiras se fossem brasileiras

Apesar de não curtirem o nosso futebol, dando inclusive um nome diferente  a ele, soccer, os norte-americanos - aquele povo que pensa que é o melhor do mundo mas é tão problemático quanto o nosso - são fanáticos por três esportes: basebol, basquetebol e o que eles entendem como "futebol", modalidade responsável pelo último ato de fanatismo acontecido por lá.

No último final de semana, houve o tal de Super Bowl e quem ganhou foi um tal de New England Patriots (vejam, não somos os único burraldos, o que mostra que os ianques não são tão evoluídos assim como sempre pensamos). Sim, Patriots: patriotas! Importamos a tolice de achar que esporte é patriotismo, que nos traz "dignidade", embora não passasse de inócua atividade de lazer.

Estas celebridades decidiram comemorar a vitória dos "Patriots" cantando o sucesso do Queen, We are the Champions, como se a tal vitória fosse a coisa mais importante do mundo. Como se a vida de muitos dependesse dessa vitória. Se fossem brasileiras, estas celebridades seriam futebosteiras, largando tudo de mais importante em prol de copas do mundo e campeonatos banais.

Nos resta o consolo de saber que os brasileiros não são os únicos idiotas na face da Terra.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Mídia estranha desprezo mútuo pós namoro de Neymar e Marquezine. Atriz já está tem outro macho pra se coçar

Recentemente foi noticiado que Neymar e Bruna Marquezine, o suposto ex-casal mais apaixonado (sic) do país (e que havia rompido antes, mas a atriz foi chamada às pressas pelos assessores do jogador, para retomar o relacionamento durante a copa porque "herói" solitário não pega bem), não se fala mais. Até mesmo em redes sociais, um deixou de seguir o outro.

A mídia estranhou o rompimento assim, tão frio entre os dois, com esse distanciamento típico de quem nunca se viu na vida. Até parece que ela não sabia que o relacionamento não se deu por amor, e sim de modo arranjado como promoção na carreira de ambos, idolatrados cada um por grandes massas de fãs histéricos.

Mas nós aqui, cientes da farsa, não estranhamos. E digo mais: é até normal, se lembrarmos que este relacionamento surgiu apenas para servir de catapulta para as respectivas carreiras das jovens celebridades, além de reforçar o fanatismo futebolístico com uma estorinha de amor inserida, tendo o "corajoso maior herói da pátria" como protagonista. Balela.

Na verdade, tudo foi uma farsa muito bem planejada. E ambos já estão até e outra. Neymar, apesar dos rumores de estar "pegando" uma modelo estrangeira (um feioso beem $edutor, com cifrão), deve estar galinhando nas farras como sempre. 

Já a sua ex-concubina já começa a namorar um carinha dono de uma pousada. Fãs dela já aprovam o cara, mas não deixam de sentir um certo afeto pelo ex, já que muitos fãs são idiotamente otimistas, duvidando que seus ídolos possam se envolver em armações afetivas. Tolice, pois todos sabem que nos dia de hoje, a vida afetiva se tornou extensão da vida profissional de celebridades. Cerca de 60% dos relacionamentos são pura fachada e há muito mais gays do que se possa imaginar entre as celebridades brasileiras.

De qualquer forma, o que aconteceu foi normalíssimo. Após o contrato comercial de pseudo-matrimônio entre o jogador arroz-de-festa e a atriz de beleza mediana (que se acha a princesinha do Brasil), era mais natural que os dois nem se falassem mais. Para o bem dos futuros relacionamentos de Neymarketing e Bruna Marketing, bem mais espontâneos que o falso conto de fadas do tipo "a Bela e a Fera" protagonizado pela atriz e o jogador.

domingo, 4 de janeiro de 2015

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014

Até parece que isso foi o acontecimento mais importante do ano. Brasileiro fica maluco por causa do futebol, se esquecendo de coisas REALMENTE IMPORTANTES! 

Povinho idiota. Por isso que nada melhora no Brasil. Blah!


sábado, 19 de julho de 2014

Os torcedores brasileiros e a incrível tolerância à mesmice

Muitas vezes me ponho a perguntar: os brasileiros não conseguem se cansar de futebol? O famoso esporte mais popular do Brasil vem carregado de uma maciça e insistente campanha de publicidade que ultrapassa os limites do irritante. 

É como uma martelada repetida na cabeça. A mídia usa e abusa de mantras repetidos sem qualquer limite de vezes para que os torcedores sejam hipnotizados e se escravizem em prol do futebol. Mas mesmo essa campanha toda, deveria irritar qualquer um que se considere normal.

Que nada! Pelo jeito o povo brasileiro, que deveria cultuar a diversidade em todos os sentidos, pegou o gosto pela mesmice. E não há nenhum setor mais monótono que o futebol. Uma monotonia alegre, animada, movimentada, mas que nunca chega a romper com a mesmice. É quando a mesmice se torna mais divertida.

E dá-lhe reportagens que repetem os mesmos comentários! Dá-lhe bajulações a times e seleções! E dá-lhe torcedores imbecilizados agindo feito retardados mentais na hora de exaltarem o seu vício! Tudo devidamente televisionado e com altíssima audiência. E tanta repetição não cansa, não?

O futebol é o esporte oficial da mesmice. Em rodas de amigos só se fala em futebol. E sempre os mesmos comento. Nada muda. E tudo indo de maneira insistente. Como se a única forma de fugir da mesmice do futebol e se suicidando ou fugindo para uma floresta sem pessoas ou para um deserto.

E tanta coisa maçante não enche o saco, não? Como seres humanos que se julgam normais conseguem aguentar tanta martelada na cabeça em prol do futebol e nunca se enjoar? Do jeito que falam sobre futebol era para todo mundo se enjoar e largar o hobby.

Mas não. Povo brasileiro gosta de mesmice. Talvez tenha horror de sua vocação pela diversidade. Mesmos pensamentos, mesmos gostos, mesmos objetivos na vida. Tudo repetido e único. É o brasileiro sonhando em se tornar um povo homogêneo e sem graça. Mais de 200 milhões pensando uma só coisa, agindo como se fossem uma pessoa só. Isso em um país imenso e cheio de variedade por todos os cantos.

E novamente me ponho a perguntar: a mesmice do futebol não cansa?

domingo, 13 de julho de 2014

O homem mais influente do Brasil compara derrota no futebol com tragédia real

A fábrica de idiotas não para de funcionar. Em prol do futebol, muita asneira é dita na desesperada tentativa de transformar algo fútil e supérfluo em "algo extremamente importante". E ninguém melhor que Luciano Huck, o metido, para falar a pior das asneiras.

Só para lembrar, a derrota dos brasileiros na copa não gerou nenhum dano e muito menos vítimas (a não ser os malucos que cometeram suicídio após a derrota, transferindo para a "seleção" a auto-estima que não possuem). O país continua o mesmo e pode até prosperar, já que não terá a ilusão do futebol para desviar as atenções. Futebol é apenas uma diversão lúdica feita porque quem quer dar risada durante alguns minutos. Se os brasileiros levam a sério demais o futebol, é graças a muita campanha publicitária e a consagração do fanatismo futebolístico nas regras de convívio social.

Mas o "imaculado" Luciano Huck se esqueceu disso e pensou que a derrota gerou danos graves ao Brasil. O infeliz comparou a derrota a tragédias como o que aconteceu nos EUA em 11 de setembro de 2011, com gigantesco número de vítimas fatais e graves danos materiais. Ou esse Luciano Huck é burro ou estava querendo ser simpático para os torcedores cometendo essa gafe imperdoável.

Comparar uma forma de diversão a uma tragédia de danos graves é desumano e alucinado. Coisa de fanático alienado. Quem pensa que uma derrotinha no futebol é "tragédia" não deve viver no mundo real. O futebol precisa perder popularidade no Brasil para que asneiras como essa não possam ser mais ditas. Afinal, futebol não foi feito para ser levado a sério.

Huck, que há pouco tempo foi criticado por incentivar o turismo sexual e frequentemente por roubar ideias de outros para seus quadros, além de fazer caridade estereotipada e paliativa, ignora quem não curte futebol e sempre se aproveita de algum evento marcante para se autopromover. Tudo coerentemente com o maligno plano secreto que ele está bolando ao lado de seu verdadeiro amigo, Aécio Neves, que como os outros tem que oferecer algo ao narigudo apresentador para poder ser amado, já que seres humanos não são a especialidade do apresentador oportunista.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Assim caminha a humanidade em nosso país

Imagens que falam por si só. Povo tolo.


O futebol no Brasil é uma piada que se repete

Se não bastasse as repetidas e rotineiras vitórias que a seleção brasileira de futebol alcança nas copas e em jogos considerados mais importantes, criando uma rotina que só consegue agradar quem é viciado no maior ópio do povo  em nosso país, os torcedores também apelam para gracinhas tolas que são repetidas à exaustão, torrando a paciência de quem quer viver longe dessa hipnótica hegemonia futebolística.

Quando ligamos a TV somos brindados por um festival de gracinhas feitas por torcedores que são repetidas à exaustão. Claro, uma população que só consegue gostar de uma forma de lazer certamente nunca terá a criatividade necessária para bolar algo que não chateie.

Afinal, o futebol, que em si é uma piada repetida muitas vezes só pode render piadas repetitivas, pois o seu universo é bastante limitado. Tão limitado quanto o nível intelectual dos jogadores e de grande maioria dos torcedores. Não há como esperar novidades de um setor onde até a vitória dos amarelados é bastante rotineira.

E o que me intriga é porque as pessoas não conseguem se cansar de tanta repetição. Como algo lançado como um mantra feroz não consegue entediar cérebros tão fracos que costumam se entendiar com qualquer outra coisa? Só mesmo a hipnose midiática muito bem conduzida, com o apoio das tradições sociais consegue transformar algo tão repetitivo em prioridade máxima nacional.

E por essas e outras, o futebol se transformou em uma piada repetitiva que só consegue ter graça para os que se submetem a ela. E mais: a única piada que quanto mais repetitiva for, mais divertida será. Mas para mim, essa piada já nasceu sem graça.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Mídia extrapola nas bobagens durante as copas do mundo

Não sou fã de TV. Assisto mais os seriados de canais como Warner e Nickelodeon e documentários do Natgeo e do Discovery. Se eu pudesse pagar para assinar por apenas estes canais estaria satisfeito (embora gostasse bastante de canais que só vendem em pacotes muito avançados. O resto é resto e a sua falta não me incomoda.

A mídia em geral e principalmente a TV aberta fica um nojo durante a copa. Desesperados em transformar um esporte sem graça como o futebol em conto de fada, não mede esforços para colocar próteses de magia e de civismo para que a população se iluda e que a tal modalidade tenha adesão quase total. Como brasileiros não são racionais, todo mundo acha natural e até maravilhoso curtir um esporte tão medíocre. Afinal somente pessoas de mente medíocre tem um esporte medíocre como o futebol.

E não venham me dizer que o futebol não é medíocre. É MEDIOCRE! Toda a sua magia na verdade é postiça, graças a um excelente trabalho de publicidade proselitista e de tradições sociais transmitidas de uma geração a outra. Ou Acham mágico um esporte onde se caracteriza por uma corrida, um chute na bola, uma entrada na rede, gente gritando E SÓ?

E justamente para completar o protético trabalho de embutir falsa magia ao mesmo, muitas besteiras são lançadas em forma de violenta rajada pela mídia. As televisões, sobretudo apelam para o extremo da babaquice em suas programações, principalmente nos "sisudos" telejornais, que em épocas de copa ficam piores do que show de calouros de fundo de quintal.

Tudo para aumentar a importância de uma mera brincadeira que se não fosse levada a sério até seria válida. Mas como para a maior parte da população, o futebol chega a ser tratado como assunto de segurança nacional, chaga a parar o país e tratar os jogadores como soldados valentes, tratando o seu desempenho como se a vida dos brasileiros dependesse da vitória de uma "seleção".

Mas liga-se a TV e vem muitas bobagens de todos os tipos. Até tem diminuído um pouquinho de nada, visto a descoberta da farsa da unanimidade do futebol no gosto dos brasileiros. Futebol nunca foi unânime, mas com a internet, essa gente esquecida que prefere ignorar Neymar & CIA teve a oportunidade de mostrar a sua cara. Bom, se o futebol em publicidades deixou de ser monopolizante, ainda continua hegemônico.

Por isso mesmo, aqueles que preferem passar longe do esporte de Charles Miller, já completamente abandonados por tudo e por todos, até pelos amigos que preferem o "sagrado" culto aos amarelados, seguem bem longe da mídia hipnotizante que nesta época tem o desprazer de só falar em um assunto só, renegando a vocação brasileira para a diversidade, esta muito bem ausente no gosto pelo esporte.

domingo, 29 de junho de 2014

Tipos de torcedores de futebol

Mesmo sendo uma quase unanimidade, pelo menos em aparência, o futebol não poderia ser curtido da mesma forma em uma sociedade tão diversificada. Mesmo admitindo gostar da modalidade esportiva, cada pessoa procura curtir da forma mais pessoal possível.

Com base nisso e após observar algumas características, classifiquei os tipos de torcedores de acordo com o comportamento que demonstram em relação ao futebol. Vamos aos tipos.

O Torcedor Fiel - é aquele que gosta do futebol sempre, seja em copa, seja fora dela, não chega a ser tão técnico quanto o especialista, mas demonstra uma fidelidade ao prazer do esporte, que se torna o seu hobby preferido. É bastante dedicado e não se limita a modismos. A maior parte da torcida masculina pertence a este tipo.

O Torcedor Especialista - Também fiel, difere do anterior por entender mais da parte técnica do futebol. Conhece os jargões e analisa as jogadas de forma mais detalhista e científica, podendo também ser conhecido como "torcedor intelectual". Conhece os bastidores (mas não tanto quanto o tipo realista, como veremos a seguir), mas não se aprofunda neste aspecto, preferindo se dedicar ao que acontece em campo.

O Torcedor Realista - Outro tipo similar ao fiel, mas concentrado ao que acontece nos bastidores. Conhece as falcatruas que acontecem longe dos olhos do público e muitas vezes luta contra elas, apesar de continuar gostando de futebol. Aliás, é uma das metas desse tipo de torcedor lutar por um futebol mais "limpo", longe da influência de cartolas e patrocinadores. Costumam ser bastante politizados (com escolaridade alta) e normalmente respeitam quem não curte futebol.

O Torcedor Modista - Do contrário do fiel, só gosta de futebol por saber que é um esporte popular. Gosta de imitar o que as multidões fazem. Para este tipo de torcedor, o fato da modalidade esportiva ter um grande número de adeptos é mais importante que o futebol em si. Altamente submisso a mídia e a regras sociais, larga tudo pelo futebol, mas ignorando a parte técnica e ainda mais os bastidores (algo que parece não existir para este tipo de torcedor, se parecendo muito com o tipo alienado neste aspecto). Gosta apenas dos gritos e do clima altamente catártico inerente a ritualística do futebol em nosso país. É neste tipo de torcedor que se encontram a maior parte das mulheres, embora grande parte delas esteja no tipo "Patriota de Copa", que veremos a seguir. Outra característica: o modista costuma ter uma vida social intensa e movimentada em seu cotidiano extra-futebol.

O Patriota de Copa - Tipo de torcedor modista que só interessa pelo esporte em tempos de copa. O nome sugere que este tipo de torcedor trate o evento como um dever cívico. Age como o modista, mas acrescenta a isso a noção errada de que o futebol é importante para o país, chegando a confundir a "seleção" com o próprio território nacional, transferindo os símbolos de amor cívico a exaltação da equipe oficial de futebol. Embora exista gente de ambos os sexos, as mulheres são maioria neste tipo.

O Hooligan - Este tipo de torcedor se caracteriza pelo extremo fanatismo e defende o seu time de forma mais agressiva possível. Leva a sério o aspecto catártico e viril do futebol e não mede esforços para que adversários e alguns simpatizantes sejam espancados, muitas vezes até a morte. Não confundam com agressores que se infiltram nas torcidas só para agredir: diferentes destes, os hooligans usam a paixão pelo futebol como motivação para as suas brigas. Adoram futebol, mas defendem o seu hobby da pior maneira, causando muitas confusões. São comuns em torcidas organizadas.

O Torcedor Troll - Mistura do tipo modista com uma versão muito mais branda do hooligan, este tipo está muito mais interessado em usar o futebol para berrar, tocar cornetas, fazer barulho e usar a catarse para liberar seus instintos. Gosta de futebol, presta atenção dos lances, mas demonstra uma certa ansiedade em se agitar, sem se importar com o sossego alheio. Se divertem ofendendo torcedores de times adversários e quem não curte futebol. É muito comum no Rio de Janeiro e entre adolescentes e crianças crescidas (a partir dos 7 anos) de qualquer parte do país.

O Torcedor Tranquilo - É aquele que não costuma fazer barulho em comemorações, não costuma errar, preferindo outras formas de comemoração. Não gosta do comportamento da maior parte das torcidas, preferindo assistir seu futebol em um lugar tranquilo e silencioso. Geralmente se parece com o tipo especialista, já que o foco dele é o futebol em si e não o clima de festa anexado a ele, lhe dando a oportunidade maior de se dedicar mais a parte técnica da modalidade.

O Torcedor Alienado - Conhecido também como "torcedor religioso" por tratar o futebol como se fosse uma "religião", é o oposto dos tipos realista e especialista: gosta de futebol, mas tem uma perspectiva ingênua em relação a modalidade. É extremamente otimista em relação a honestidade no futebol e prefere acreditar que toda a falcatrua ocorrida nos bastidores seja encarada como mentira, um boato para tirar o prazer do futebol. Acredita cegamente nos seus ídolos (tratados como se continuassem sendo os velhos peladeiros de seus campinhos de várzea) e constrói uma aura de conto de fadas ao redor do futebol, enxergando apenas o lado positivo da modalidade. O nível de fanatismo costuma ser tão extremo que o dos hoolligans, mas com a diferença de que os alienados são pacíficos, avessos a agressividade. É um tipo muito comum nas classes pobres, nas cidades interioranas e em pessoas de baixa escolaridade.

O Torcedor Extra-copa - Raro, mas existente. É aquele torcedor que prefere os campeonatos regionais e nacionais e não costuma cultuar a "seleção". Muitas vezes vê os jogos das copas, mas sem a empolgação que demonstra no futebol de sua região. Prefere torcer para seu time do que para a "seleção", admitindo que os jogadores atuam bem melhor em seus times. Tem uma perspectiva parecida com o do tipo realista em relação ao futebol, mas acha que a corrupção pode ser mais facilmente eliminada no futebol regional, já que para ele, as instituições como FIFA sejam muito mais corruptas que as federações locais. Como os realistas, costumam respeitar quem não curte futebol.

sábado, 28 de junho de 2014

O melhor vídeo sobre a copa

Este ótimo vídeo gravado pela diretora teatral Luíza Romão, denominado ''Palpites da copa'', é um dos mais inteligentes que eu já vi. Sem rancor, altamente poético e cheio de rimas inteligentes, ele critica não o esporte (realmente o futebol, em si nada tem de errado - o que o cerca é que é errado), mas a alienação, o fanatismo, o consumismo e a corrupção que está por trás. 

Parabéns à Luíza e a equipe que conseguiu fazer um vídeo bem inteligente que, como diz na descrição do YouTube, é o melhor vídeo sobre a copa.




quarta-feira, 18 de junho de 2014

Sites petistas dizem que a mídia é contra futebol. Em que planeta eles vivem?

Os sites petistas, controlados por membros, simpatizantes ou aliados, com raiva de outros meios de comunicação que não os que os apoiam, cometeram o absurdo de difundir que a Grande Mídia estava contra a copa e contra o futebol. Uma declaração pra lé de alienada, louca, desmiolada que mostra que quando há histeria, muitos absurdos, contrários ao que se observa de fato, são ditos, ou melhor, vomitados sem pensar.

Quem liga a TV sabe que a mídia é totalmente a favor da copa. Ela sói fala em copa. A copa é um bom instrumento utilizado pela mídia para manter a população submissa e completamente alheia á realidade. É a mídia que coloca essa falácia de "patriotismo" para que os telespectadores transformem o prazer futebolístico em obrigação cívica e social. E a mídia ganha muito dinheiro com isso, além de aumentar o seu poder diante das massas ingênuas. 

O que o PT e seus amiguinhos blogueiros ditos "progressistas" (mas que defendem o regresso do país, como os seus arqui-inimigos tucanos também defendem, só que de outra maneira) falam é uma gafe tão grande que não é preciso nem ser inteligente para saber que a mídia não só é a favor da copa e do futebol, como está com as rédeas dos eventos. Lembrando que quase todas as redes são filiadas a cartolas (empresários que controlam o futebol) e que a Rede Globo é acionista da CBF.

Aprendam a olhar ao redor, petistas, antes de dizer qualquer besteira.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Copas nos devolvem aos instintos mais primitivos

Toda copa é sempre assim. Embora a mídia trate o evento futebolístico com bastante seriedade, como se uma conquista no futebol fosse trazer dignidade à população brasileira, sabemos muito bem que a publicidade e os meios de comunicação na verdade exploram o instinto coletivo da população, que em tempos de copa, costuma para lizar oi cérebro e dar um verdadeiro show de primitivismo, bem aos moldes dos trogloditas da pré-história.

Na verdade, talvez seja este o verdadeiro motivo que faz com que a copa seja tão desejada pela população: ela dá a oportunidade dos brasileiros satisfazerem seus instintos, sobretudo o da vontade de berrar, gritar, explodir. O futebol é, seguindo as regras sociais a única situação onde se pode gritar histericamente sem que isso seja visto como gafe ou situação de perigo.

Essa vontade de satisfazer instintos é bem coerente ao futebol, praticado por uma maioria de jogadores precariamente educados, com nível de escolaridade baixíssimo e com péssimas referências culturais e senso crítico totalmente nulo. Para um esporte praticado por primitivos, nada melhor que os torcedores ajam como primitivos também, como uma espécie de uma saudação "uga-uga" dos brasileiros aos desintelectualizados jogadores.

Uma sociedade que despreza tudo que é intelectual, que prefere deixar "discussões políticas" para depois e que acha muito chato raciocinar, nada mais adequado retomar os velhos instintos primitivos de quatro em quatro anos (ou diariamente, durante os campeonatos nacionais) da "saudosa" Idade da Pedra, celebrando a nossa verdadeira pátria. Grunhindo histericamente pelo amor a esta caverna chamada "Brasil".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...